Pensamentos de Janeiro

Ei gente, falei que ia voltar com esse projeto e aqui estou. Não teve pensamentos de Dezembro porque eu me esqueci completamente e era tanta coisa pra fazer, que fiquei perdida, mas nas férias é claro que eu não ia me esquecer né?! Então aqui estão os meus resumos dos dias de Janeiro ❤

1. O ano começou maravilhosamente bem. Ei 2016 por favor seja tão lindo quanto 2015 eim?!

2. Mais um dia que falhei em tentar ser fitness

3. ops .. esqueci

4. Que dia corrido, eu só queria um dia com umas 30h .. ia ser legal

5. Nunca na vida viajei de avião tão tranquila .. acho que estou perdendo o medo de voar 🙂

6. Florianópolis i’m ready for you

7. Mas que cidade linda, que praia maravilhosa, que pessoas maravilhosas

8. Pra que que a gente fica doente né?!

9. Acho que Floripa na verdade se chama Buenos Aires, nunca vi tanto argentino na vida … nem na própria Argentina

10. Amo aeroportos, tanta gente diferente. Mas definitivamente nunca vou me acostumar às turbulências

11. Baladas gays… as melhores!

12. Chuva mais Netflix nada melhor pro dia ser feliz

13. Eu volto pra vida fitness, mas a vida lazy não sai de mim.

14. Choveu, fez sol, choveu de novo. É assim que me sinto em relação a você.

15. “Choveu o dia inteiro lá em casa, não teve som de obra, nem tristeza tava”. Por mais shows do Cícero, por mais dias lindos ♡

16. Um dia resumido em muita chuva e muita cama 

17. Eita dia preguiçoso

18. A gente devia conversar mais, na maioria das vezes tudo é muito banalizado.

19. Partiu ser uma cidadã que faz algo no país.. arrumando o currículo 🙂

20. Uma coisa amigos: depois que você entra na faculdade não existe mais férias.

21. eita, esqueci

22. Eu já disse que amo fazer programa com os migos que envolvam cineminha cult e praça da liberdade? ❤

23. Mais um dia que fui inútil ao meu país, muita dor de cabeça só aumentou a proclastinação

24. Role de hoje foi só pra comer hahah .. vai gordinha!

25. Que dia viu, que dia :/  .. Pelo menos tomei um banho de chuva!

26. Mais um dia comum onde me atrasei pros compromissos 🙂

27. 9km de caminhada + ballet, só isso mesmo!

28. Que dia cheio meu deus

29. To much drama for a gemini

30. Percebi que tô meio velha pros roles que eu faço, vamos ter que mudar as estratégias

31. What a beautiful day ❤

Anúncios

Pensamentos de Novembro

Ei gente, tudo bem? Outro dia estava eu navegando pelos blogs e me deparei com esse texto da Emille do blog O Mundo Cabe na Minha Lente, onde ela registrou os pensamentos de cada dia do mês. Amei a ideia, até porque eu tenho uma péssima memória e esqueço de tudo. Nunca me lembro do que fiz no dia anterior, quem dirá dos meus sentimentos naquele dia. Logo fiquei louca pra fazer parte do experimento, foi bem libertador eu diria, porque no final de cada dia eu tinha que fazer uma análise por mim mesma e me forçar a relembrar tudo que eu tinha feito para colocar no papel.

Eu realmente espero que vocês gostem o mesmo tanto que eu, e eu provavelmente levarei essa ideia para os outros meses 🙂

dfdljfkn

1. Passar o dia inteiro fazendo nada é uma das melhores coisas que existem. Uma pena que uma imensidão de pensamentos te alastra.

2. Dia de finados, mais um dia que não fiz nada.

3. Às vezes eu me esqueço do meu próprio conselho de ser paciente e deixo coisas bobas do dia me aborrecerem.

4. Nem todos os dias vamos dormir de cabeça leve e sorriso no rosto, e hoje foi um desses dias. Estou simplesmente triste por algo que me aperta o coração.

5. Foi mal, o cansaço não me permitiu lembrar de anotar.

6. Ser geminiana às vezes é uma bosta. Hoje de manhã havia bad, agora não tem mais. Essa dualidade de sentimentos me deixa maluca.

7. Choveu!!!! Preciso falar mais nada.

8. Começando a pensar que sono é algo eterno. Nunca vai passar.

9. Tirar a tarde de folga, ir pra um role com você mesma onde inclui livro e cinema: melhor coisa. Recomendo a todos que nunca saíram com a própria companhia que experimentem.

10. Pensamentos positivos atraem coisas positivas para nossas vidas. Mantra pra vida toda, pois quando você deseja o melhor e tem pensamentos de acordo, o mundo conspira a seu favor.

11. Tentei, sem muito sucesso, me conhecer melhor. Se tem uma coisa que temos que saber é sobre nós mesmos. Sonhos, medos, sentimentos. Faz toda a diferença nas relações humanas.

12. Ops… apaguei. De novo.

13. A sexta feira foi 13, diversos acontecimentos tristes abalaram esse dia. Mas o meu foi especialmente feliz.

14. Passeio relax/alternativo em BH, tudo que eu precisava pra repor energias.

15. Esse meu ascendente em sagitário sofre quando tem que ficar em casa e cumprir com as obrigações. O dia se resumiu em muita preguiça e muita proclastinação.

16. Férias cadê você minha filha???

17. A coisa mais bizarra sobre mim é que em dias frios e chuvosos sou uma das pessoas mais românticas que existem. Ed Sheeran (que me acompanhou no dia) que o diga

18. Eu todo dia começo o dia dizendo que serei fitness and health, mas termino ele comendo batata frita com bacon e queijo. Super sigo minhas metas.

19. É hoje que eu descubro como me transformar em duas. É HOJE!

20. Essa chuvinha de BH tão boa pra dormir, mas o fim de semestre não deixa.

21. É hoje que paro de beber. A ressaca bateu forte.

22. “Eu amei te ver”

23. O dia hoje tava ótimo pra dormir e hibernar, mas como fui obrigada a levantar da cama fiquei sofrendo a bad.

24. Às vezes proclastinar, e ligar o fodaci pras coisas que você tem que estudar pra prova do dia seguinte e decidir ir pro cinema, faz bem!

25. Pink Floyd why so perfect?? ♡

26. Carência pra que tu existe kiridinha?

27. Dia de greve, resumido em maratona de Star Wars e letras do The Weeknd

28.  …

29. A big step to conquer your heart

30. Até que enfim eim novembro?

A angústia sobre aquela mulher

Olá pessoinhas, não cheguei a comentar por aqui mas eu comecei a escrever textos pro blog, como podem perceber rolando um pouquinho o console. Não que eu seja a melhor pessoa com palavras, na verdade sempre preferi conversas, principalmente aquelas cara a cara. Mas precisava desabafar sobre assuntos que as corriqueiras conversas não me permitem, que nem todos estão dispostos a ouvir ou que a vergonha de sustentar certos olhares me deixaram sem muita opção a não ser o mundo online.

Nesse meu texto tenho muito e pouco a dizer, é muito sentimento, porém são poucas as palavras. Poucas ainda seriam muitas palavras, na verdade é uma palavrinha: angústia. Um substantivo que pode ser encontrado nas primeiras páginas de um dicionário, uma sensação que aflige todo o meu ser e que demorei anos para descobri-lo escondido aqui dentro. Toda essa descoberta teve início uns meses atrás, quando me deparei com um calendário malvado que me entregava a idade que eu estava prestes a concluir em alguns dias. Veinte, vingt, twenty fucking years. Vinte primaveras. Mas o que estava acontecendo? Não, não, não. Dona Mãe Natureza, você errou nas contas. Conta de novo. Não pode ser. Eu estava prestes a me tornar “adulta” e ninguém me avisou com antecedência.

A partir desse momento a sementinha da angústia começou a crescer e se tornar algo gigantesco, e por incrível que pareça, eu que sempre abominei dramas desnecessários e sentimentalismos exacerbados, estava no meio de uma crise de idade. Tão nova e tão louca. Tão nova e tão velha. Tão nova e tão.. sei lá o que. Tive que aceitar o fato de que não estava preparada pra desapegar daquelas dezenas, aquele mísero número um que me acompanhou praticamente toda a vida que tenho lembranças concretas. Aquele um que sempre esteve comigo não importasse o que estivesse acontecendo no mundo. Sim eu a pessoa que mais muda de opinião, de estilo, de cabelo, de amores, não estava sabendo desapegar de um numeruzinho qualquer.

Mas antes fosse apenas desapegar do número, logo percebi que o buraco era mais fundo e assim me vi dentro de uma crise existencial. Comecei a me questionar sobre tudo na minha vida, se eu estava feliz, se estava fazendo o que gostava, se eu estava cercada por quem eu admirava, e logo percebi que algumas perguntas estavam beirando o não. Era como se eu tivesse num estado de inércia, meus dias perderam sentido e tudo era feito no automático, eu estava vendo a vida passar pelos meus olhos mas nada me emocionava, não existia faísca em nada. Eu me sentia triste, desanimada, feia, burra e tudo de ruim eu conseguia ver presente no meu ser. Mais uma vez, o que estava acontecendo? Nem eu sabia como tinha ido parar tão no fundo do poço.

angustia

A resposta era óbvia, o inferno astral era o culpado. Aquele período que antecede seu aniversário e que tudo que pode dar errado vai dar errado e parece que sua vida foi tomada pela Lei de Murphy. Mas pera lá, esse inferno astral não me atormentou no ano passado. Descarta o miserável que ele não tem culpa de nada. O que estava acontecendo então???

Eu demorei um pouco pra saber a resposta pra essa pergunta, e talvez não tenha certeza definitiva dela, mas depois de desapegar mesmo de algumas pessoas, de algumas coisas e até de lágrimas presas, encontrei a resposta. Eu estava com medo, angustiada e até um pouco ansiosa por essa nova idade. Eu tomei conhecimento de que sou cada dia mais mulher e menos menina, certas atitudes minhas (que até os dezenove tava beleza) precisavam ser revistas e até abolidas, certos sentimentos meus que até agora eram indefinidos, precisavam de um rumo. Eu precisava de um rumo, de mais paciência, de mais certezas. E até sobre as minhas amizades eu tive que refletir.

Pela primeira vez na vida eu entendi exatamente sobre a questão de que amigos verdadeiros você conta nos dedos de uma mão. Porque colegas e conhecidos a vida está cheia, mas amizades com que você possa contar são poucas e raras. Eu percebi que por mais que eu seja geminiana, adore conversar e sair, na hora de conversar e celebrar eu quero que seja com aqueles verdadeiros. E pela primeira vez fiquei muito feliz com uma característica minha, que há pouco via como defeito. Eu demoro pra me conectar com as pessoas, a confiar nelas e me abrir com elas, e essa “demora” toda me permite manter essas pessoas cada vez mais na minha vida. Olhe só, eu vendo meus defeitos como características. Que bunitinhu.

E logo me dei conta que toda essa inquietude que se passava aqui dentro não passava de uma briga entre a pessoa que eu era e a que sou hoje. Uma briga boba inclusive, porque eu estava com dificuldades de aceitar que havia crescido, que eu havia mudado muito em um ano, que meus sonhos mudaram, assim como meus medos e meus pensamentos. Coisas que me eram certas aos dezenove hoje parecem bobagem. Que a cada dia que passa eu me importo menos com a opinião alheia sobre meu cabelo, meu corpo, minhas atitudes, minha vida amorosa. Que a cada dia que passa eu sou mais mulher e menos adolescente.

E hoje eu posso dizer com todo o orgulho que tenho vinte anos e que, eu tô ficando velha, eu tô ficando louca. Mas eu gosto de pensar que eu estou ficando mais bonita, mais experiente e se me permitem, mais gostosa e divertida 🙂