Filmes Pra Assistir no Dia Internacional das Mulheres

Depois de muito tempo sem falar de filmes por aqui, hoje venho com uma seleção especial: cinco filmes pra comemorar o Dia Internacional das Mulheres. Ano passado foi um ano especial pra todas nós, a discussão de direitos iguais estava em alta e o feminismo tomou uma proporção grande. A mídia, incluindo os filmes, estão sendo importantíssimos nessa jornada. Nós estamos descobrindo o real significado do feminismo, as moças estão cada vez mais certas de seus direitos, pessoas famosas a cada dia batem no peito e falam “Sou feminista” nos mostrando que não é nenhum bicho de sete cabeças. A questão do gênero está sendo debatida diariamente, marcas famosas estão lançando coleções unissex e esperamos que 2016 tome os mesmos rumos. Enfim aqui estão alguns filmes e eu espero que gostem 🙂

Legally blonde

Legalmente Loira (Legally Blonde)

Sabe aquele filme que você cresceu assistindo, mas só depois de velha nota tanta coisa bacana? Pois é! Pra mim sempre foi um filme engraçadinho, mas depois fui rever e percebi coisas bem legais e mega importantes de se trazer à tona no dia de hoje. Elle Woods, interpretada pela fofíssima Reese Witherspoon, é a loira presidente de sua fraternidade e que tem tudo o que qualquer garota gostaria de ter. Ela namora o gato Warner Huntington III (Matthew Davis) e sonha em se casar com ele, mas tudo desmorona quando ele a dispensa porque está prestes a se mudar pra Harvard e a acha fútil demais para continuar a namorá-la. Ela então decide ir estudar em Harvard, recuperar o namorado e provar sua inteligência.

Primeira coisa super legal que esse filme trabalha é a amizade entre as mulheres, de forma leve e engraçada. E mesmo as meninas que eram “inimigas” da Elle depois tornam-se companheiras dela e isso é muito lindo. Devemos mesmo parar com esses rixas forçadas e ridículas entre as mulheres, não é nada legal. Outra coisa interessante do filme é o esteriótipo. O filme nos faz parar pra pensar como julgamos as pessoas pelas aparências, criamos ideias sobre elas baseadas em como se vestem. A Elle é super vaidosa e julga os outros por não se vestirem de uma determinada forma, e dessa mesma maneira ela é julgada. Sinceramente, nós devemos usar aquilo que nos faz sentir bem e isso não altera em nada nosso esforço ou intelecto.

how to be single

Como Ser Solteira (How To Be Single)

Alice (Dakota Johnson) termina um relacionamento de anos para aprender a viver sozinha, ela então vai morar com sua irmã Meg (Leslie Mann) na cidade de Nova York. Em seu novo emprego ela conhece Robin (Rebel Wilson), uma mulher que sabe como festejar e curtir sua solteirice. O filme tem outros personagens solteiros em busca de um amor, ou apenas uma ficada. E em todo esse contexto Alice vai descobrindo os gostos e desgostos de ficar sem ninguém.

O que eu mais gostei do filme foi a forma como eles trabalharam tão bem com a questão de ser solteiro. Alguns esteriótipos, claro por se tratar de comédia, mas a discussão de ser sozinho é bem legal. Eles não caíram naquela antiga armadilha de que todos precisam de um amor encantado pra ser feliz, as mulheres e os homens do filme são colocados no mesmo patamar. Algumas horas as mulheres são as cafajestes, outras os homens. Como é na vida real e como eu nunca tinha visto antes em algum filme sobre os solteiros de NY. Então fica a dica pro cinema do fim de semana, já que o filme está em cartaz!

the hunger games

Jogos Vorazes (The Hunger Games)

Caí no filme clichê, mas fazer o que não é mesmo?! Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) é uma garota de dezesseis anos que mora no Distrito 12 na nação de Panem. São no total doze distritos e a Capital, que é a metrópole mega avançada tecnologicamente e que controla toda a nação. Jogos Vorazes é um evento anual que ocorre em Panem, onde é escolhido um adolescente entre 12 e 18 anos de cada distrito para uma batalha mortal. O vencedor do programa televisivo ganha fama e dinheiro.

Acho que todo mundo já ouviu dizer sobre os livros e os filmes, já que foi comoção internacional. E realmente ter uma mulher como a protagonista do filme é maravilhoso, porque a Katniss não se deixa abalar facilmente. Ela mostra as meninas que lutar não é coisa só de garotos, todo o jeito dela meio de repulsa aos outros e tão introspectivo é diferente do que muitas protagonistas femininas costumam ser. Ela desmistifica a fama de que garotas são delicadas, fofas e frágeis. Girl power total!

under the toscana sun

Sob o Sol da Toscana (Under the Tuscan Sun)

Frances Mayes (Diane Lane) é escritora, mora em São Francisco e acabou de se divorciar após a traição de seu marido. Ela entra em depressão e sua amiga Patti (Sandra Oh) e sua esposa estão esperando um filho, então ela convence Frances a ir tirar férias na Toscana utilizando um ticket antigo que ganhou. Quando o grupo com o qual está viajando param em Cortona, ela se apaixona pelo lugar e decide comprar uma casa à venda.

Eu acho esse filme lindo, a história e a fotografia, e adoro como a protagonista vai se curando aos pouquinhos da depressão. Ele trata muito bem a questão de nós precisarmos de um tempo sozinhos para pensar e colocarmos a cabeça no lugar. Frances é uma mulher que nessa jornada pela Itália se torna cada vez mais independente, nos mostra a importância de aprender a nos virarmos sozinhas e como as amizades são essenciais em nossa vida. Mais um filme mostrando muito bem a amizade entre mulheres e que no fundo para ser feliz, primeiramente temos que estar mentalmente bem.

sufragistas

As sufragistas (Suffrage)

É um drama britânico que conta a história de luta das mulheres pelo voto, que se passa em 1912. Maud Watts (Carey Mulligan) é uma dona de casa, mãe, esposa e trabalha numa fábrica de lavagem de roupas. Durante uma entrega ela se vê no meio de uma revolta sufragista, onde ela reconhece uma de suas colegas de trabalho. Meio sem perceber ela vai se envolvendo ao movimento, mas simultaneamente vai perdendo tudo que tem na vida e acaba entrando em conflito se é mais importante manter a família ou lutar pelo seus direitos.

Esse filme é muito bom, é  uma reflexão bacana e importante a ser feita por todos. Só de imaginar pelo o que aquelas mulheres passaram pra nos assegurar tanta coisa nos dias de hoje, é de partir o coração. E ainda temos muito pelo o que lutar, e acho que esse filme foi lançado num momento certo, pois o feminismo está cada vez mais forte. É muito legal ter essa noção de história bem à frente dos olhos. Ele ainda está em cartaz em alguns cinemas, super recomendo 🙂

Anúncios

As comédias românticas e seus ensinamentos

Eu hoje nos meus vinte aninhos presenciei o boom dos anos 00/10 e os milhões de filmes sobre romance. Aliás, essa temática sempre existiu porém só lá pro meus doze anos comecei a tomar tino sobre os filmes que assistia. Até o momento meu universo girava em torno dos filmes da Disney, animações e os que minha mãe assistia. E é exatamente aí que entra as comédias românticas, mamãe sempre foi amante desse estilo. Aqueles filmes água com açúcar, onde temos a protagonista que tem o coração partido e depois ele é costurado pelo mocinho dos olhos azuis.

13 goin on 30

Cresci no meio desses filmes, e sem esquecer de dizer que os filmes da Disney tinham exatamente a mesma temática, fui me tornando cada vez mais sonhadora. Talvez até um pouco iludida. Porém depois que algo faz parte da sua rotina e você se apaixona por ela, fica meio impossível de desapegar. Eu tenho minhas críticas em relações à esses filmes, por exemplo, uma certa imposição de que precisamos de uma relação amorosa com um certo alguém que até um certo momento te importunava, para sermos felizes e como isso só reforça a ideia de que mulheres que não se casam serão infelizes. Ou como a mulher é esteriotipada, muitas vezes exibida como uma louca neurótica porque chegou na casa dos 30 e não casou ainda, mas isso é assunto pra outro post. Porém com o mesmo entusiasmo das críticas, tenho meus elogios à esses filmes. E principalmente em relação ao amor, porque por mais bizarro que pareça dá pra aprender bastante com esses filmes viu?!

1. O coração regenera sim, fique tranquilo

Depois de passar dias e horas vendo filmes, uma coisa que aprendi com as comédias românticas é que seu coração pode ter sido partido, porém você é capaz de amar novamente. Pode ser com esforço próprio, ajuda de amigos ou do príncipe no cavalo branco, ele vai voltar a bater. Acredite!

2. Todo mundo tem defeitos, inclusive você

Na maior parte das histórias, a mocinha parece perfeita à nossos olhos, porém, geralmente o ser humano por quem ela se apaixona tem milhões de diferenças dela. Ela aponta os defeitos dele, fala mal, reclama e briga e chora. Só que, ele também aponta os defeitos dela, aqueles que ela esconde tão bem e faz questão de ignorar. E no fim para o bom convívio, eles precisam aprender a lidar com esses defeitos e respeitar o parceiro é o essencial. Aceitar nossos defeitos é a chave pra aceitar ao outro da maneira que ele é.

Shallow Hal

3. Príncipes encantados existem, porém são humanos

Sabe às vezes a gente imagina alguém na nossa cabecinha, sonhamos com ela, visualizamos todas as características dela, físicas ou não, e sonhamos que aquele alguém será o grande amor de nossas vidas. Será o nosso príncipe encantado. Mas aí você se apaixona por alguém e percebe que essa pessoa é seu príncipe, entretanto não tem nada a ver com aquele ser imaginário. Pois é! Esses seres encantados existem, basta a gente parar de imaginar ele como um produto. Eles são seres humanos e infelizmente (ou felizmente) não temos como planejar tal coisa, apenas abrir a cabeça e deixar o coração fazer o trabalho dele.

4. Se você se ama, os outros também amarão

Tá aqui uma dica valiosa (inclusive já fiz um post sobre isso aqui no blog), quando você se ama por inteiro, as pessoas ao seu redor percebem essa energia boa que flui de você. E essa energia contagia de uma maneira sem igual, parece que é envolvente. Chame de amor ou chame de felicidade, isso contagia os seres humanos.

5. Tudo poderia ser evitado se fôssemos mais pacientes, a conversa resolve muita coisa

Todo filme tem seu ápice e seu declínio, e nessa parte geralmente é quando o casal principal briga por algum detalhe bobo (na maioria dos casos). Se eles sentassem e conversassem todo o drama e o chorôrô poderia ser evitado, e afinal não é assim que relações duram? Com paciência?! Conversas podem nos levar longe, resolver nosso problemas à base de tapas e choro não funciona sempre.

E aí gostaram? Deixe seu comentário.
Beijos açucarados 🙂

Today in my twenties I’ve witnessed the boom of the 00/10’s and the million of movies about romance. By th way, this theme always existed but just when I was in my twelve years old I started notice the movies I watched. Till that moment my universe spun around of the Disney, animations and the movies tha my mom watch. And is exectly here where the romantic comedy gets in, mommy is a huge lover of this style. That movies chick flicks, where we have the protagonist that have a broken heart and later is swen by the good guy with blue eyes.
I grew up in the middle of that movies, and without forget to say that Disney films have the exactly same theme, I was becoming increasingly dreamy. Maybe even a little deluded. However after something starts be part of you rotine and you fall in love for it, it is kind of impossible to detach. I’ve my critics about this kind of movies, for example, a certain imposition that we need a romantic relationship with someone that until one point bothered you, to be happy and how that reinforces the idea that women who doesn’t get maried will be unhappy. Or like the women is stereotyped, many times showed like a neurotic lunatic becase she have 30s and do’nt marrried yet, but this topic for an another post. However with the same enthusiasm of the critics, I’ve my compliments to these movies. Mainly about the relation with love, because for more bizarre it sounds we can learn a lot with that movies ok?!
1. Yep, the heart regenerates, don’t worry
After spend hours and days watching movies, one thing I’ve learned with the romantic comedies is that your heart might have been broken, but you able to love again. Could be with own effort, help of friends or the prince on the white horse, it will come back to beat. Believe it!
2. Everyone have flaws, including you
In most of the stories, the lady look perfect to our eyes, but, usually the human beig for who she falls in love have million of differences from her. She apoints his defects, speaks ill, complains and fight and cry. However, he also apoints her flaws, that one that her hides so well and insists in ignore. And in the end to the good living, they need learn to deal with these defects and respect the partner is essencial. Accept our flaws is the key to accept the other the way he is.
3. Princes charming exists, but they’re human
You know sometimes when we imagine someone in our heads, dream with her, we visualize all the characteristics of her, physical or not, and dream that one will be the biggest love of our lives. Will be our first prince charming. But then you fall in love for someone and realize that this person is your prince but have nothing of that imaginary human. Yes! This enchanted creatures exists, we just need stop imagine him like a product. They’re human beings and unfortunately( or fortunately) we don’t have how plan such a thing, just open our heads and let the heart make his job.
4. If you love yourself, the others also will
Here’s a valuable tip, when you fully love yourself, the people around you perceive that good energy that flows from you. And that energy is contagious, surrounding everyone. Calls love or hapiness, the humans feel that.
5. A lot could be avoided if we were more patients, talk resolvs a lot of things
Every movie have you climax and decline, and in this part usually is when the main couple fight for some stupid detail (in the most of the cases). If they sit with each other and talk all the drama and weeping might be evited, and after all that’s not how relationships last? With patience?! Conversations can lead us far, resolving our problems with punches and cry doesn’t work everytime.
So I hope you enjoy it xox

Luz, Câmera, Ação: Um Dia

Oi gente, um pouquinho atrasada no projeto 24 Filmes em 2015 .. hoje vou falar sobre um filme que é adaptação de um livro. Eu particularmente adoro adaptações, porque todo leitor fica imaginando como seria na “vida real” né?! Mas é legal quando a adaptação fica bem feita também, porque quando a adaptação é ruim decepciona os fãs.

one-day

Mas a adaptação que vou falar hoje é muito boa, tão boa que já ouvi dizerem que é melhor que o livro (eu não li, mas várias pessoas me falaram que o livro é um pouco monótono), o filme é o Um Dia  e eu amo tanto esse filme que nem sei.

Primeira vez que o assisti, quatro anos atrás num cinema vazio, me apaixonei pela história e pelo romance quase de Romeu e Julieta dos protagonistas. Eu sempre assisto esse filme, não me enjoo dele nunca e sempre choro (eu já sei o que vai acontecer mas parece que é sempre a primeira vez que estou assistindo).

one-day2

O filme narra a história de Dexter Mayhew e Emma Morley, que se conhecem em 1988 em sua noite de formatura. Após a formatura eles passam o dia seguinte, 15 de Julho (Dia de São Swithin) na companhia um do outro e daí surge uma bela amizade. Os anos se passam porém cada um leva sua vida, diferente de tudo que tinham imaginado ou sonhado. Durante os vinte anos em que o filme é narrado, os dois vivem relacionamentos, desilusões, brigas e isso tudo sempre se passa no dia 15 de Julho de cada ano.

O filme é muito bom e arranca suspiros, risos e lágrimas de todos que o assistem. E na minha humilde opinião, Anne Hathaway arrasou no papel, assim como Jim Sturgess. Os dois combinaram com os respectivos personagens e deixaram o filme perfect!

one-day3

LUZ, CÂMERA, AÇÃO: A Filha do Meu Melhor Amigo

Oi gente no post de hoje, dando continuação ao projeto 24 Filmes para 2015, vou falar do filme A Filha do Meu Melhor Amigo. Esse filme já tem um tempinho e não é novidade, mas eu adoro assisti-lo. Seja por causa da nossa queridíssima Blair ou pelo meu mais antigo amor Seth Cohen (já perceberam que sou um pouquinho iludida com meus amores né?!).

filha do meu melhor amigo

O filme de 2012 conta sobre duas famílias, David e Paige Walling que são vizinhos e amigos de Terry e Carol Ostroff. Sendo assim seus filhos Vanessa e Toby Walling e Nina Ostroff também eram amigos, sendo que a última sempre foi mais rebelde e depois de se formar decidiu viajar pelo país. Porém após ficar cinco anos fora de casa e romper com o namorado, ela decide voltar pra casa e depois disso tudo começa a desandar.

Enquanto as duas famílias querem unir Toby e Nina, a garota acaba se envolvendo num relacionamento com o melhor amigo de seu pai: David. Isso causa uma reviravolta entre as famílias e faz com que eles saiam de suas vidinhas acomodadas.

a filha do meu melhor amigo

O filme é muito legal, é bem tranquilo de assistir e uma ótima programação para domingo a tarde. A atuação dos atores é muito bacana e eu achei muito legal ter unido as duas pessoas menos óbvias como um casal. Sério galera, se vocês nunca assistiram, assistam porque vale muito a pena 🙂

Espero que tenham gostado, beijos ❤

LUZ, CÂMERA, AÇÃO: Será Que?

Olaaaa,

Hoje vim continuar o projeto 24 Filmes para 2015 do grupo de blogueiras Blogs Que Interagem e resolvi falar sobre um filme que eu achei fuçando muito no Netflix. Confesso que o Netflix não me atrai muito, não tem muitos filmes novos e nem alguns muito famosos. Então, para ver no aplicativo um filme que eu goste, eu tenho que caçar muito, mas no final eu consigo achar uns que me agradam hahaha. E o filme de hoje é justamente um dessas histórias que eu curti muito.

Bom, o filme se chama Será Que? (Em inglês: What If?) e é estrelado pelo Daniel Radcliffe, que interpreta o Wallace e pela Zoe Kazan, que faz o papel da Chantry. O filme é um romance, daqueles bem clichê e água com açúcar. É a história de um jovem com poucos amigos, tímido, bem na dele, Wallace que em uma festa acaba conhecendo Chantry, que é o contrário dele e daí o clima de amizade entre os dois começa a existir e eles se tornam praticamente melhores amigos. O problema é que ele começa se apaixonar por ela, mas ela tem um namorado, e o namoro dos dois aparenta ser super feliz. No meio dessa paixão pela Chantry, o Wallace faz de tudo para tentar esconder o seu amor por ela acreditando ser o melhor para manter a amizade dos dois intacta. Entre risadas, discussões, histórias, viagens e sentimentos à flor da pele, os dois se ajeitam e encontram uma forma de ficarem juntos sem complicações e dão um pé na bunda do namorado (ex-namorado) chatão dela.

what_if_ver2_xlg

Basicamente essa é a história. Por isso que é bem clichê, já que essa história de amigos que se apaixonam e no final ficarem juntos é mais velha que minha vó. Então, vocês devem estar se perguntando o por que deu estar indicando esse filme para vocês, já que é tão clichê blá blá blá. O filme vale a pena pelo rolo entre eles e o jeito com que uma coisa vai levando à outra. A história é igual as outras, mas o casal não. Vocês entendem? É um casal super fofo, mas não é aqueles comuns, nem daqueles melosos demais, sei lá, eles têm uma química diferente entre eles. Por serem tão opostos um do outro, acaba que eles formam uma dupla que super combina, super original. Eu não sei explicar, eu só sei que adorei o casal e desde o inicio você percebe o quanto eles combinam e que não existe outro final que não seja eles juntos.

THE F WORD

Além disso, outra coisa que me encantou foi a arte que existe no filme. A fotografia, o cenário, a imagem é muito legal e muito encantadora. Tem um jeito que torna o filme meio mágico e passa justamente a imagem do casal. Ou seja, a arte do filme reflete totalmente a personalidade do casal, eles se encaixam. Eu sei, eu sei que parece que eu to fumando, mas juro que faz sentindo. Assistam o filme e tentem perceber a arte que existe por trás da história.

sera_que_1

Então é isso, apesar de ser um filme bem típico e saber de gente que não gosta mesmo desses filmes assim (como uma amiga minha muito chata que eu espero que esteja lendo essa resenha), eu indico ele, porque acho que vale a pena quando você quer ver um filme para passar um tempo, relaxar e tal e  ele é meio que um igual diferente hahah. Dá pra entender? Beijos e até logo.

Trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=lCyOqSHpO-E

LUZ, CÂMERA, AÇÃO: Corações de Ferro

Dando continuidade ao projeto 24 Filmes para 2015 do grupo de blogueiras Blogs Que Interagem, hoje vim falar do filme que assisti lá na Argentina: Corações de Ferro.Fury-Corazones-de-hierro

Eu não tinha ouvido falar nada desse filme, nem trailler eu vi passando por aí .. mas era o único filme que estava mais próximo de começar e então decidimos ver. O cartaz trazia uma foto imensa do Brad Pitt e sinceramente não sou a maior fã dele, mas ele atua bem o que tinha a perder né? Eu não estava botando muita fé no filme, o título não me agradou muito (Corazones de Hierro), então ao menos ia ver uma boa atuação.

E agora tenho que agradecer o destino por pôr esse filme no meu dia nublado, primeiro porque o filme se passa na Segunda Guerra Mundial e é um drama muito bem construído; segundo porque tem no elenco Shia Labeouf e Logan Lerman ❤ . Eu quase infartei quando vi os dois contracenando juntinhos e isso me motivou mil vezes a mais a querer ver o filme. Ai Ana chega de ataques de paixonite por favor!

shia labeouf

Bom, o filme se passa em abril de 1945 e acompanha o golpe final dos Aliados na Europa, sendo que um dos sargentos que faz parte da Divisão Armada é o Don “Wardaddy” Collier (Brad Pitt) que comanda o tanque chamado Fury, juntamente com o restante de sua tripulação: Boyd “Biblia” Swan (Shia LaBeouf), Grady “Coon-Ass” Travis (Jon Bernthal), Trini “Gordo” García (Michael Peña) e Norman Ellison (Logan Lerman).

Norman é o mais novo tripulante do tanque, além de ser o mais jovem e não ter conhecimento nenhum do estrago da Guerra. O que se torna um problema no início, pois ele é um dos atiradores mas não sabe atirar e tem receio de matar as pessoas e por isso Wardaddy mata um soldado do exército Waffens-SS (exército exclusivo de Adolf Hittler), ao mesmo tempo em que segura Norman. A partir daí cria-se um vínculo entre o sargento e o menino, até que ele entenda que está em guerra e matar é preciso.

Esse vínculo entre os dois é visto de maneira invejosa e ciumenta pelos outros tripulantes e tem uma cena em que fica claro tudo isso. Mas a tripulação permanece unida e é uma das poucas que sobrevivem a diversos atentados. Inclusive eles são o único tanque que sobra para combater a infantaria do exército Waffen-SS, com cerca de trezentos homens e fica aquela dúvida no ar: eles cinco ficam e morrem tentando ou fogem e tentam encontrar mais exército dos Aliados?

coraçoes-de-ferro

O filme é muito bom, um pouco hollywoodiano é claro, mas um dos melhores da Segunda Guerra que já assisti. O diretor tentou ser o mais real possível em relação as emoções dos homens ali matando sem ter uma razão concreta, aliás o que eu mais gostei foi isso .. como é possível sentir o que eles estão passando. Sem dizer que contém cenas bem fortes e dramáticas, mas que foram a cereja do bolo afinal é uma guerra, onde tinha bombardeios por toda parte e tiros a todo lugar.

O filme estreia no Brasil dia 5 de fevereiro, então já prepara seu fim de semana e vai .. você não irá se arrepender 🙂

Beijos

LUZ, CÂMERA, AÇÃO: Loucas pra Casar

Olaaaaa,

Hoje vim estrear uma nova categoria aqui do blog que vai chamar “Luz, câmera, ação”. Eu e a Ana vamos começar a fazer resenhas de filmes variados aqui no blog que serão lançados em 2015. Essas resenhas vão fazer parte de um projeto que estamos participando com o grupo Blogs que Interagem, que chama 24 filmes para 2015 que consiste em fazer resenha de dois filmes por mês lançados nesse ano.

E eu que sempre faço resenhas de livro, hoje vou falar sobre filmes hahah. Como estou de férias estou indo bastante ao cinema e resolvi vir falar do último que eu assisti: Loucas para Casar.

Loucas-pra-casar_cartaz-em-alta

O filme é uma comédia romântica nacional que conta a história da Malu (Ingrid Guimarães) que aparenta ter uma vida quase perfeita, já que ela é bonita e bem sucedida, mas já aos 40 anos ainda não era casada, o que a deixava infeliz. Ela namorava há 3 anos com Samuel (Márcio Garcia – maravilhooooso), que era seu patrão e era rico, bonito e aparentemente a amava. Mas ela descobre que ele a traia com, não apenas uma mulher, mas duas mulheres.

filmes_9382_53ED927AB4744A8

Acaba que as 3 mulheres se conhecem e descobrem que estão tendo um caso com o mesmo homem. A partir daí começa uma luta entre elas para ver que vai ficar com o bonitão até praticamente o final do filme. O final vai ser muito surpreendente e aposto que ninguém desconfiava do que iria acontecer. Eu pelo menos achei que terminou de uma forma muito legal e passando até uma lição boa que serve para muitas mulheres por aí. Não tem como falar muito sem estragar a surpresa. img-620895-cena-do-filme-loucas-pra-casar20140722161406057549

Eu gostei muito do filme por diversos motivos. Primeiro porque o final deu o tchan que a história precisava, fazendo com que ela fosse diferente das demais e não fosse apenas uma história de filme. Outro motivo foi que muitas comédias nacionais costumam ser muito espalhafatosas/besteirol e cheia de palavrões, mas Loucas pra Casar não foi esse besteirol que às vezes aparece por aí, como eu disse em cima, o final tem até uma liçãozinha de moral.

E por último, mas não menos importante foi a escolha dos atores. Eu confesso que o principal motivo que me fez ir no cinema ver Loucas pra Casar foi a participação da Tatá Werneck, e ela, como sempre, não me decepcionou. Ela + Ingrid Guimarães foram sinônimo de muitas risadas, porque elas são hilárias. Mas, além delas os outros atores também interpretaram muito bem seus personagens e fizeram um bom papel.

E outras coisa muito legal foi que as três mulheres que disputam o Samuel são bem diferentes umas das outras, cada uma com uma personalidade engraçada.  Malu é bem sucedida, viciada em organização e apesar de tentar mostrar um lado de uma mulher independente que não precisa de um marido – enquanto todas suas amigas tem um – ela, na verdade, é infeliz por isso. Lúcia (Suzana Pires) é a ‘safada’, que os homens acham que é boa na cama, mas para esposa não presta. E Maria (Tatá Werneck) é a beata de igreja, boa moça e que ‘sabe cuidar do homem dela’, a certa para casar, mas que se revela muitas vezes bem safadinha. Eu confesso que a Maria, por ter essa dupla personalidade e por ser interpretada pela Tatá foi a mais engraçada de todas e que me fazia rir toda hora que aparecia.

547765.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Enfim, se vocês estão aí de férias e não sabem o que assistir, vale a pena a ir no cinema ver Loucas pra Casar, porque está nos cartazes de todo o Brasil e ainda deve ficar mais uma semana em cartaz, pelo menos. E se vocês já assistiram me contem nos comentários o que acharam do filme e se vocês desconfiavam do final, que foi um desfecho muito inteligente e que faz valer a pena toda grana para o ingresso hahaha. Beijos